Skip to main content

Rapidinha 7- Foi um filho criticado?

Rapidinha 7- Foi um filho criticado? 

Hoje encerro o assunto COMPENSAÇÃO no blog, depois de seis dias. E como estamos chegando no Dia das Mães, fecho a semana abordando a compensação que nós, adultos, fazemos em relação a nossa infância: ser um bom adulto para compensar a criança problemática que fui para os meus pais. 
Este processo ocorre devido as falas e ações dos pais que reverberam no adulto de forma consciente e inconsciente. 
Mesmo que ouvimos, quando crianças, que somos arteiros, problemáticos, verdadeiras "pestes", ou até mesmo coisas como "Você não devia ter nascido", temos o desejo de que eles nos aceitem. A ACEITAÇÃO É DEMONSTRAÇÃO DE AMOR.
Todo este processo na infância, gera na gente crenças negativas, pois quando crianças, tomamos as verdades dos pais como se fossem as nossas, inclusive sobre quem somos.
A partir daí, iniciamos a compensação para sermos aceitos, e neste movimento, geramos ainda outras crenças que por terem como base "verdades negativas", muito provavelmente serão novas crenças negativas.
DIRETO AO PONTO.
Como vimos em artigos anteriores, a compensação satisfaz por um tempo, mas não traz o preenchimento, a completude em nós, continuaremos com um vazio latente. 
O que faço em atendimento é levar o cliente até a situação de origem, e liberar a mãe da necessidade de ser punida(ou o pai) pelos erros que acreditamos que ela tenha cometido.
Vamos reconhecer que ela fez o que tinha capacidade, mãe e filho aprendem com seus respectivos papéis durante o próprio caminho.
Após fazer isso, olhe-se como adulto,  agradeça a sua criança por ter te trazido até aqui, são e salvo, e agora LIBERE-SE da necessidade de compensar a criança criticada e não reconhecida pelos pais.
Libere-se para viver a sua vida como quiser! 
E no domingo, dê um abraço em sua mãe para agradecer por ter feito um adulto capaz de ama-la como é. Agradeça por ter amado a sua criança conforme sabia! 
O AMOR É APRENDIZADO! Aceite amar e será amado!
REPROGRAMAÇÃO :
Reconheço o amor que sinto pelos meus pais, e reconheço o amor que meus pais sentem por mim. Comando que libero-me das compensações e que meus passos são dados para minha felicidade, sem a necessidade de agradar a qualquer outra pessoa que não seja de forma voluntária. 

Para Terapia, Reprogramação, Thetahealing e palestras :
autorlucasleonardo@gmail.com 

A Súmula Dourada
Parte I 
O Mausoléu

Disponível na Saraiva


A pessoa certa na hora certa? Teorias e Conspirações? Não há escapatória! Sejam bem-vindos! Eles aguardam por você!

Comments

  1. Que texto profundo. Muito bom !!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Tão profundo quanto sua alma, Fernanda, e espero que tão belo quanto!

      Delete

Post a Comment

Popular posts from this blog

Conte-me 4- Por que não torcem por nós? Está pronto para partir?

É comum situações em que as pessoas que mais amamos torçam contra nós. Pode parecer até bizarro este processo, mas ele acontece muito mais do que percebemos. A questão é o por quê?
Uma das motivações para este movimento contra por parte da pessoa que amamos, é o medo de não ser mais útil em nossa vida, e seguirmos em frente sem ela.
O nosso sucesso pode ser a projeção alheia do próprio abandono, e há grandes chances de também termos cometido isso com alguém.
Um grande aliado que temos pela jornada é o tempo e o aprendizado que ele nos traz. Este aliado nos mostra que pelo caminho muitos partirão e muitas vezes partiremos, o importante é a vivência deixada, de amor e de aceitação.
Mais importante do que o período em que ficou, foi o sentimento que marcou.
Assim sendo, resta dizer que torço para o seu sucesso, e até mesmo para sua partida, afinal, se partiu deixando em mim saudade, me ensinou a amar e ser amado. Por isso, …
Relatos de Terapia 3
Por que trabalha com o que não gosta? O que está precisando provar?

Meu terceiro dia de atendimento posso dizer que foi extremamente personalizado. Não que fosse minha intenção, simplesmente foi.
Estava a caminho da clínica quando resolvi parar numa praça e olhar o movimento das crianças que corriam se esconder umas das outras. Parado ali, Ana, minha primeira cliente chegou ao meu lado.
-Bom dia Ana, como passou depois de ontem?
-Passei bem. É bom estar em meio às crianças, não acha?
-Acho sim, nos ajudam a nortear a motivação de nossas ações. Aliás, parabéns pelo seu livro!
-Obrigada. Acho que de certo modo evolui, da criança com dificuldade de acompanhar as outras a uma escritora.
-Está satisfeita com o resultado?
-Depois de ontem questionei as razões que me levaram até o livro, e decidi parar. Percebi que não escrevo porque amo, mas porque amo provar para meus pais e todos aqueles que duvidaram de mim, que sou melhor do que acreditam que eu seja. Mas nisso acab…