Skip to main content

Reprogramação 1- Como está sua mãe, quer ver quem ela realmente é?

Reprogramação 1-
Como está sua mãe, quer ver quem ela realmente é? 

Trabalhado como cerne da constelação sistêmica, a figura da mãe é o eixo central de referência emocional de como lidamos com nossa vida. A maneira que projeta sua relação com ela é a mesma maneira que projeta com as pessoas ao redor.
Normalmente quando se pergunta como se baseia o elo entre você e ela, há um momento de reflexão sobre a maneira que fomos tratados por ela, principalmente na infância, até os sete anos de idade.
Há uma chance de lembrar de uma bronca um pouco mais ostensiva do que aquela que hoje você consideraria ideal para aquele momento, e isso talvez tenha causado um sentimento de culpa pelo "erro" acusado, ou até mesmo pela palmada um sentimento de raiva.
Vá até aquele momento, se for possível, e se veja como um espelho, como se ela estivesse se agredindo. Pergunte a ela, por que se agride? Ouça seu desabafo, e neste momento a humanizará, poderá então perdoá-la, livrá-la do cordão da mágoa que os une, e instalar um cordão de amor e compreensão.
Nosso sistema de crenças e nossa programação é fortemente influenciado em nossos primeiros anos de vida.
Mães são humanas antes de serem nossas heroínas.
Este texto pode ser útil a mais alguém, compartilhe, curta. Gratidão.
Todo trabalho de reprogramação deve ser feito por um profissional competente para isso, com devido preparo.
Contato: autorlucasleonardo@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/lucas.leonardo.585



Comments

Post a Comment

Popular posts from this blog

Conte-me 4- Por que não torcem por nós? Está pronto para partir?

É comum situações em que as pessoas que mais amamos torçam contra nós. Pode parecer até bizarro este processo, mas ele acontece muito mais do que percebemos. A questão é o por quê?
Uma das motivações para este movimento contra por parte da pessoa que amamos, é o medo de não ser mais útil em nossa vida, e seguirmos em frente sem ela.
O nosso sucesso pode ser a projeção alheia do próprio abandono, e há grandes chances de também termos cometido isso com alguém.
Um grande aliado que temos pela jornada é o tempo e o aprendizado que ele nos traz. Este aliado nos mostra que pelo caminho muitos partirão e muitas vezes partiremos, o importante é a vivência deixada, de amor e de aceitação.
Mais importante do que o período em que ficou, foi o sentimento que marcou.
Assim sendo, resta dizer que torço para o seu sucesso, e até mesmo para sua partida, afinal, se partiu deixando em mim saudade, me ensinou a amar e ser amado. Por isso, …

Rapidinha 7- Foi um filho criticado?

Rapidinha 7- Foi um filho criticado? 
Hoje encerro o assunto COMPENSAÇÃO no blog, depois de seis dias. E como estamos chegando no Dia das Mães, fecho a semana abordando a compensação que nós, adultos, fazemos em relação a nossa infância: ser um bom adulto para compensar a criança problemática que fui para os meus pais.  Este processo ocorre devido as falas e ações dos pais que reverberam no adulto de forma consciente e inconsciente.  Mesmo que ouvimos, quando crianças, que somos arteiros, problemáticos, verdadeiras "pestes", ou até mesmo coisas como "Você não devia ter nascido", temos o desejo de que eles nos aceitem. A ACEITAÇÃO É DEMONSTRAÇÃO DE AMOR. Todo este processo na infância, gera na gente crenças negativas, pois quando crianças, tomamos as verdades dos pais como se fossem as nossas, inclusive sobre quem somos. A partir daí, iniciamos a compensação para sermos aceitos, e neste movimento, geramos ainda outras crenças que por terem como base "verdades negati…
Relatos de Terapia 3
Por que trabalha com o que não gosta? O que está precisando provar?

Meu terceiro dia de atendimento posso dizer que foi extremamente personalizado. Não que fosse minha intenção, simplesmente foi.
Estava a caminho da clínica quando resolvi parar numa praça e olhar o movimento das crianças que corriam se esconder umas das outras. Parado ali, Ana, minha primeira cliente chegou ao meu lado.
-Bom dia Ana, como passou depois de ontem?
-Passei bem. É bom estar em meio às crianças, não acha?
-Acho sim, nos ajudam a nortear a motivação de nossas ações. Aliás, parabéns pelo seu livro!
-Obrigada. Acho que de certo modo evolui, da criança com dificuldade de acompanhar as outras a uma escritora.
-Está satisfeita com o resultado?
-Depois de ontem questionei as razões que me levaram até o livro, e decidi parar. Percebi que não escrevo porque amo, mas porque amo provar para meus pais e todos aqueles que duvidaram de mim, que sou melhor do que acreditam que eu seja. Mas nisso acab…